A Amendoeira 

Há muito muito tempo atrás, há cerca de dois mil anos, havia um homem rico com uma esposa formosa. Os dois tinham muita fé, amavam-se e desejavam do fundo de seus corações um ou mais filhos. Então, a esposa orava todos os dias e todas as noites. Em frente a casa havia um jardim esplendoroso e nasceu lá uma bela amendoeira. Num dia de inverno, a mulher estava embaixo da árvore e ao tentar pegar uma amêndoa que caía se cortou com a casca e o sangue caiu sobre a neve. — Ah! – disse a mulher, suspirando profundamente e olhando para o sangue. Se eu pudesse ter um filho com lábios vermelhos como o sangue e de pele tão branca como a neve! Ela ficou feliz depois de dizer isso, pois sentiu em seu coração que algo muito bom estava por vir e assim voltou para dentro de casa.

 

Passado um mês, a neve derreteu. Passados dois meses, a grama estava verde. Em três meses, as flores brotaram da terra. No quarto mês, as árvores estavam cheias de folhas e os ramos densamente entrelaçados, os passarinhos começaram a cantar de modo que a floresta ecoou e as flores caíram das árvores. Quando passou o quinto mês, a mulher estava debaixo da árvore e viu um pequeno fruto brotar. Seu perfume era tão doce que seu coração saltou de felicidade. Depois do sexto mês, o fruto já estava firme e maduro. Ela não contou nada a ninguém e, no sétimo mês, reuniu as amêndoas e comeu-as avidamente. No oitavo mês, sentiu-se doente e, em lágrimas, chamou o marido a dizer: — Se eu morrer enterre-me debaixo da amendoeira. Assim que se acalmou e se sentiu melhor e o nono mês havia passado, deu à luz a um filho de pele branca como a neve e lábios vermelhos como o sangue. Quando viu que seu desejo fora realizado, sua felicidade era tamanha que morreu. Seu marido a enterrou sob a árvore de amêndoas e chorou dia após dia. O tempo passava e a dor diminuía. Com certo tempo, a tristeza tornara-se lembrança, quando enfim parou de sofrer, casou-se novamente.

A segunda esposa lhe deu uma filha e assumiu o filho de sua primeira esposa: o garotinho de pele branca como a neve e os lábios vermelhos como o sangue. Sempre que a mulher olhava para a filha sentia grande amor por ela, mas sempre que olhava para o menino, sentia como se seu coração adoecesse e pensamentos maléficos passavam em sua cabeça. E não importava o que o menino fizesse, parecia que ele sempre se opunha a seu caminho. A mulher maquinava como sua amada filha poderia herdar tudo do marido sem que o menino atrapalhasse.

 

Assim, tomou grande ódio por ele, levava-o de um canto para outro lhe dando tapas ou beliscões, de modo que a pobre criança estava sempre em desgraça, mesmo quando voltava para casa depois do horário escolar, nunca tinha paz. Certo dia, a mulher entrou na cozinha e sua filhinha a seguiu dizendo: — Mãe, me dá uma maçã? — Claro que sim, minha querida – disse a mãe que deu uma maçã vermelha e apetitosa retirada de um baú de tampa grande e pesada com uma trava de ferro muito forte. — Mãe, meu irmão pode ganhar uma também? A mulher se irritou com a pergunta, mas respondeu: — Sim, quando ele voltar da escola. Quando ela viu pela janela que o menino estava chegando, um mau pensamento cruzou sua mente e tomou a maçã de sua filhinha, dizendo: — Você não deve comer antes de seu irmão. Então, jogou a maçã de volta no baú e fechou com a tampa.

 

Em seguida, o menino chegou à porta e ela disse-lhe num tom gentil, porém com feições maliciosas: — Meu filho, você aceita uma maçã? — Mãe – disse o menino –, por que está me olhando desse jeito? Sim, aceito! Segurando a tampa do baú, falou tão bondosamente quanto antes: — Venha aqui e pegue uma. Quando o menino estava debruçado sobre o baú aberto, maus pensamentos rodearam a cabeça da mulher e bum. Ela deixou a tampa cair, decepando a cabeça dele que voou por entre as maçãs vermelhas. Mas, então, a mulher sentiu grande terror e se perguntou como poderia escapar da culpa. Ela foi até a cômoda em seu quarto, pegou um lenço branco na gaveta mais próxima, colocou a cabeça de volta no pescoço, atou-os com o lenço para que nada fosse visto e sentou-o sobre uma cadeira em frente a porta com a maçã na mão.

 

A pequena Marlene veio à cozinha onde sua mãe estava em pé diante do fogo mexendo uma panela de água quente. — Mãe – disse Marlene –, meu irmão está sentado com uma maçã na mão, mas parece muito pálido, pedi para me dar a maçã e ele não me respondeu, está muito estranho. — Vá de novo até ele – disse a mãe –, e se não responder lhe dê um tapa ao pé do ouvido. Marlene passou novamente e disse: — Irmão, me dá uma maçã. Mas como não houve reação, ela lhe deu um tapão na orelha, a cabeça caiu e rolou. Quando viu, a menina ficou mortificada e muito apavorada começou a chorar e a gritar ao mesmo tempo enquanto corria em direção a sua mãe: — Mãe! Eu bati na cabeça do meu irmão e ela caiu! E a pequenina não parava de chorar. — Oh, Marlene! – disse a mãe. Que coisa terrível você fez. Não conte nada nem a sua sombra, não há nada que possamos fazer. Bem, vamos cozinhá-lo. A mãe cortou o garoto em pedacinhos e os juntou à panela onde cozinhava um guisado para o jantar. Marlene aumentou o fogo e, de tanto que chorou, o prato nem precisou de sal, pois suas lágrimas salgaram o guisado.

 

Quando o pai chegou a casa e se sentou à mesa, perguntou: — Onde está meu filho? Mas a mãe estava enchendo um grande prato cheio de guisado e Marlene chorava amargamente, não conseguia parar de soluçar. Então o pai perguntou outra vez: — Onde está meu filho? — Oh – disse a mãe –, ele foi para a cidade de sua tia-avó, mas ficará por pouco tempo. — O que ele pensa estar fazendo? – disse o pai. Não pediu autorização, sequer deu adeus! — Oh! – exclamou a mulher. Ele queria tanto ir e me pediu para deixá-lo ficar lá seis semanas. Ele será bem cuidado. — Meu Deus – disse o pai. Isso faz com que eu fique muito triste, isso não está certo. Ele deveria ter se despedido de mim. Com isso começou a comer, questionando: — Marlene, por que você está chorando? Seu irmão logo volta. Depois de um tempo, disse:
— Oh, querida esposa, a comida está ótima, me dê mais um pouco. E quanto mais comia mais queria, até que comeu tudo, jogando os ossinhos debaixo da mesa.

 

Marlene, então, foi para a sua cômoda e pegou um de seus melhores lenços na gaveta. Recolheu todos os ossos debaixo da mesa e embrulhou-os em seu lenço. Saiu pela porta chorando penosamente. Depositou-os na grama verde debaixo da amendoeira e imediatamente seu coração se acalmou. Finalmente, ela parou de chorar. Em seguida, a amendoeira começou a bailar para lá e para cá e os ramos se juntavam e separavam como um bater de palmas de alegria. Uma nuvem se levantou da árvore e no meio uma chama se acendeu e começou a queimar as folhas.  Do fogo surgia um belo pássaro cantando docemente. E num disparo para o alto, o pássaro gracioso voou para longe. A amendoeira permaneceu como era antes, mas o lenço cheio de ossos havia desaparecido. Marlene sentiu-se muito feliz e alegre, como se o irmão ainda estivesse vivo. Então, voltou alegremente para casa, sentou-se à mesa e jantou. O pássaro voou para longe, empoleirou-se no telhado da casa de um ourives e começou a cantar:
Foi minha mãe que me matou;

Foi meu pai que comeu de mim;

Foi minha irmãzinha Marlene

Que todos os meus ossos juntou em um lenço imaculado,

E colocou-os sob a amendoeira.

Oh, que lindo pássaro eu sou!


O ourives estava sentado em sua loja fazendo uma corrente de ouro e, quando ouviu o pássaro cantando em cima de seu telhado, levantou-se para verificar o nobre som que ouvia. Logo que passou pela soleira perdeu um de seus chinelos e mesmo assim foi até o meio da rua, com um chinelo em um pé e apenas uma meia no outro. Também usava seu avental de trabalho, a corrente de ouro em uma mão e as pinças na outra. Debaixo do sol olhando o pássaro, disse: — Pássaro, você canta tão lindamente, cante para mim novamente.

— Não – disse o pássaro. Eu não canto por nada duas vezes. Se você me der essa corrente de ouro eu canto para você de novo.

— Muito bem – disse o ourives –, aqui está a corrente de ouro. Agora cante outra vez.

O pássaro voou subitamente, pegou a corrente de ouro com sua garra direita e empoleirado na frente do ourives, começou a cantar:
Foi minha mãe que me matou;

Foi meu pai que comeu de mim;

Foi minha irmãzinha Marlene

Que todos os meus ossos juntou em um lenço imaculado,

E colocou-os sob a amendoeira.

Oh, que lindo pássaro eu sou!
 

O pássaro voou para a casa de um sapateiro, pousou em seu telhado e cantou:
Foi minha mãe que me matou;

Foi meu pai que comeu de mim;

Foi minha irmãzinha Marlene

Que todos os meus ossos juntou em um lenço imaculado,

E colocou-os sob a amendoeira.

Oh, que lindo pássaro eu sou!
 

Quando ouviu o canto, o sapateiro correu para fora com as mangas da camisa arregaçadas e, colocando as mãos sobre a testa para proteger seus olhos do sol, olhou para o telhado de sua casa. — Pássaro – disse ele –, como você canta lindamente. Então da porta ele chamou: — Esposa, venha aqui fora por um momento, há um pássaro no telhado. Veja como ele canta bem. Depois chamou sua filha, todos os seus filhos, os conhecidos, também chamou aqueles que passavam e os servos. Todos saíram de suas casas, foram até a rua para admirar o belíssimo pássaro. Ele que tinha penas vermelhas e verdes e, em volta de sua garganta, parecia ter uma fita de ouro puro, seus olhos brilhavam como estrelas.

— Pássaro – disse o sapateiro –, cante aquela música novamente.

— Não –  disse o pássaro. Eu não canto duas vezes por nada. Você deve me dar alguma coisa.

— Esposa, vá até a loja, na prateleira de cima tem um par de sapatos vermelhos, traga-os aqui.

A mulher foi e trouxe os sapatos. — Aqui. Agora cante a música outra vez.

E o pássaro voou até o sapateiro, pegou os sapatos com sua garra esquerda, voou novamente para o telhado e cantou:
Foi minha mãe que me matou;

Foi meu pai que comeu de mim;

Foi minha irmãzinha Marlene

Que todos os meus ossos juntou em um lenço imaculado,

E colocou-os sob a amendoeira.

Oh, que lindo pássaro eu sou!
 

Quando terminou, voou para longe com a corrente em sua garra direita e os sapatos em sua garra esquerda. Voou até chegar a um moinho, e o moinho fez o som de “clickety-clack , clickety-clack, clickety-clack”. Dentro do moinho havia vinte moleiros batendo em uma rocha do moinho, soando como “hick-hack, hickhack, hick-hack”, enquanto a fábrica fazia “clickety-clack , clickety-clack, clickety-clack”. E o pássaro empoleirado em uma tília em frente ao moinho, cantou:
Foi minha mãe que me matou;
E um dos homens parou o trabalho.
Foi meu pai que comeu de mim;
Em seguida, mais dois homens pararam de trabalhar para ouvir.
Foi minha irmãzinha Marlene
Mais quatro homens pararam de trabalhar.
Que todos meus ossos juntou em um lenço imaculado,
Agora, havia apenas oito homens trabalhando.
E colocou-os sob a amendoeira.
Cinco homens ainda trabalhavam.
Oh, oh, oh!
Agora apenas um.
Oh, que lindo pássaro eu sou!
Enfim, o último parou e só ouviu o final.

 

— Pássaro – disse ele –, como você canta lindamente, deixe-nos ouvi-lo cantar de novo!

— Não – disse o pássaro. Eu não canto duas vezes por nada.

Se você me der esta pedra do moinho cantarei novamente.

— Se a pedra pertencesse a mim – disse o homem –, eu daria a você.

— Se o pássaro cantar outra vez – disseram os outros –, pode pegar a pedra.

Todos os moleiros soltaram a pedra da trave e levantaram-na.

O pássaro desceu, enfiou a cabeça pelo buraco no meio da pedra e com ela em seu pescoço voou até a árvore e cantou:
Foi minha mãe que me matou;

Foi meu pai que comeu de mim;

Foi minha irmãzinha Marlene

Que todos os meus ossos juntou em um lenço imaculado,

E colocou-os sob a amendoeira.

Oh, que lindo pássaro eu sou!

 

Quando ele terminou, abriu as asas e voou tendo na garra direita a corrente, na garra esquerda os sapatos vermelhos, em volta do pescoço a pedra. Voou muito até que chegou à casa de seu pai. Na sala estavam todos à mesa quando o pai disse:

— Como estou alegre, me sinto tão despreocupado.

— Eu não – disse a mãe. Estou temerosa, como se uma grande tempestade estivesse chegando.

Entretanto, Marlene sentou-se à mesa chorando.

O pássaro veio voando e pousou no telhado.

— Oh – disse o pai –, eu me sinto tão feliz. O sol está brilhando tão forte, é como se eu estivesse prestes a encontrar com um velho amigo.

— Eu não – disse a esposa. Eu estou apavorada, meus dentes estão tremendo e parece que há fogo em minhas veias – e ela rasgou seu vestido para que o ar a refrescasse.

Marlene se sentou num canto com seu avental, chorava e levava o avental até os olhos. De tanto que chorou, seu avental ficou completamente encharcado de lágrimas.

Então o pássaro voou até a amendoeira, empoleirou-se num galho e cantou:
Foi minha mãe que me matou;
E a mãe tapou os ouvidos e fechou os olhos, pois ela não queria ouvir nem ver nada. No entanto, o rugido em seus ouvidos era de uma tempestade selvagem e seus olhos queimavam como relâmpagos.
Foi meu pai que comeu de mim;
— Ó mãe! – disse o pai. Há um belo pássaro lá fora e canta gloriosamente. O sol brilha calorosamente e tudo cheira tão doce como canela.
Foi minha irmãzinha Marlene
A pequena Marlene escondeu o rosto no colo e chorou mais ainda, e o pai disse: — Eu preciso ir lá fora ver o pássaro de perto.

— Oh não vá! – disse a esposa. Eu sinto como se a casa estivesse sendo consumida pelo fogo.

Mas o homem saiu e olhou para o pássaro.
Que todos meus ossos juntou em um lenço imaculado,

E colocou-os sob a amendoeira.

Oh, que lindo pássaro eu sou!


Assim que o pássaro terminou a canção, deixou cair a corrente de ouro no pescoço de seu pai, que se adaptou perfeitamente a ele.

Então, foi para casa e disse: — Olhem que belíssimo pássaro está lá fora, ganhei dele esta linda corrente de ouro. É quase tão bonita quanto o pássaro!

A esposa estava tão aterrorizada que caiu desmaiada, suas mãos destamparam seus ouvidos e o pássaro começou a cantar de novo:
Foi minha mãe que me matou;
— Oh – gemeu a mãe –, eu preferiria ser engolida pela terra a ser obrigada a ouvi-lo.
Foi meu pai que comeu de mim;
A mulher caiu novamente como se estivesse morta.
Foi minha irmãzinha Marlene
— Oh – disse Marlene –, vou sair também e ver se o pássaro me dará alguma coisa. E assim ela foi.
Que todos meus ossos juntou em um lenço imaculado,
Então ele jogou os sapatos vermelhos para ela.
E colocou-os sob a amendoeira.
Oh, que lindo pássaro eu sou!


Marlene ficou tranquila e sentiu-se feliz e alegre. Ela colocou seus novos sapatos vermelhos, dançou, pulou de alegria e correu para dentro de casa. — Oh! – disse ela. Eu me sentia tão triste antes de sair e agora meu coração está tão contente! Ele é um pássaro encantador, me deu um par de sapatos vermelhos.

 

A mulher levantou-se bruscamente, seu cabelo parecia em chamas, e disse: — Mesmo se este for o fim do mundo, se eu for lá fora, talvez me sinta melhor também. Assim que a mulher passou a porta – bum – o pássaro soltou a pedra sobre a cabeça dela, esmagando-a até a morte.

O pai e a pequena Marlene saíram correndo para fora da casa e viram fumaça e chamas de fogo levantar-se do galho da amendoeira, mas quando a fumaça dissipou, o irmão estava de volta. Ele levou o pai e a irmã pela mão e ficaram cheios de alegria, voltaram para dentro da casa, sentaram-se à mesa e jantaram. 

* Esse texto foi retirado do livro Contos de Fadas em suas Versões Originais - Volume 1 - Organização de Marina Avila e Tamara Queiroz. 

Irmãos Grimm: Jacob e Wilhelm Grimm nasceram, respectivamente, em 04 de janeiro de 1785 e em 24 de fevereiro de 1786 em Hanau, na Alemanha. Eles são responsáveis por reunir, em seu país, uma série de contos populares narrados oralmente, na tentativa de preservá-los. Colhidos em diversas regiões, foram publicados entre 1812 (Tomo 1) e 1815 (Tomo 2), com o nome de "Kinder -und Hausmärchen" (Contos Maravilhosos Infantis e Domésticos).  

Anotações 

Esse conto também é encontrado, muitas vezes, pelo nome de A Amoreira. 

Parece bastante óbvia sua semelhança com a história Branca de Neve, especialmente na descrição do menino, e no fato da malvada madrasta matá-lo por meio de uma maçã (mesmo que aqui ele não a morda, é atraído por ela).