Chapeuzinho Vermelho

Era uma vez uma pequena aldeã, a menina mais bonita que poderia haver . Sua mãe era louca por ela e a avó, mais ainda. Esta boa senhora mandou fazer para a menina um pequeno capuz vermelho. Ele lhe assentava tão bem que por toda parte aonde ia a chamavam Chapeuzinho Vermelho.

 

Um dia sua mãe, que assara uns bolinhos, lhe disse: “Vá visitar sua avó para ver como ela está passando, pois me disseram que está doente. Leve para ela um bolinho e este potinho de manteiga.” Chapeuzinho Vermelho partiu imediatamente para a casa da avó, que morava numa outra aldeia.

 

Ao passar por um bosque, encontrou o compadre lobo, que teve muita vontade de comê-la, mas não se atreveu, por causa dos lenhadores que estavam na floresta. Ele lhe perguntou para onde ia. A pobre menina, que não sabia que era perigoso parar e dar ouvidos a um lobo, respondeu: “Vou visitar minha avó e levar para ela um bolinho com um potinho de manteiga que minha mãe está mandando.”

“Sua avó mora muito longe?” perguntou o lobo.

“Ah! Mora sim”, respondeu Chapeuzinho Vermelho. “Mora depois daquele moinho lá longe, bem longe, na primeira casa da aldeia.”

“Ótimo!” disse o lobo. “Vou visitá-la também. Vou por este caminho aqui e você vai por aquele caminho ali. E vamos ver quem chega primeiro.”

 

O lobo pôs-se a correr o mais que podia pelo caminho mais curto, e a menina seguiu pelo caminho mais longo, entretendo-se em catar castanhas, correr atrás das borboletas e fazer buquês com as flores que encontrava. O lobo não demorou muito para chegar à casa da avó. Bateu: Toc, toc, toc.

“Quem está aí?”
“É sua neta, Chapeuzinho Vermelho”, disse o lobo, disfarçando a voz.

“Estou trazendo um bolinho e um potinho de manteiga que minha mãe mandou.”

A boa avó, que estava de cama por andar adoentada, gritou: “Puxe a lingueta e o ferrolho se abrirá.”

O lobo puxou a lingueta e a porta se abriu. Jogou-se sobre a boa mulher e a devorou num piscar de olhos, pois fazia três dias que não comia.

 

Depois fechou a porta e foi se deitar na cama da avó, à espera de Chapeuzinho Vermelho, que pouco tempo depois bateu à porta. Toc, toc, toc.

“Quem está aí?”

Ouvindo a voz grossa do lobo, Chapeuzinho Vermelho primeiro teve medo, mas, pensando que a avó estava gripada, respondeu: “É sua neta, Chapeuzinho Vermelho. Estou trazendo um bolinho e um potinho de manteiga que minha mãe mandou.”

O lobo gritou de volta, adoçando um pouco a voz: “Puxe a lingueta e o ferrolho se abrirá.”

Chapeuzinho Vermelho puxou a lingueta e a porta se abriu.

O lobo, vendo-a entrar, disse-lhe, escondendo-se na cama debaixo das cobertas: “Ponha o bolo e o potinho de manteiga em cima da arca, e venha se deitar comigo.”

Chapeuzinho Vermelho tirou a roupa e foi se enfiar na cama, onde ficou muito espantada ao ver a figura da avó na camisola. Disse a ela: “Minha avó, que braços grandes você tem!”

“É para abraçar você melhor, minha neta.”

“Minha avó, que pernas grandes você tem!”
“É para correr melhor, minha filha.”

“Minha avó, que orelhas grandes você tem!”

“É para escutar melhor, minha filha.”

“Minha avó, que olhos grandes você tem!”

“É para enxergar você melhor, minha filha.”

“Minha avó, que dentes grandes você tem!”

“É para comer você.”

E dizendo estas palavras, o lobo malvado se jogou em cima de Chapeuzinho Vermelho e a comeu. 

* Esse texto foi retirado do livro Contos de Fadas de Perrault, Grimm, Andersen e Outros. Apresentação: Ana Maria Machado.  

 

Charles Perrault (1628 - 1703): foi um escritor e poeta francês do século XVII, que estabeleceu as bases para um novo gênero literário, o conto de fada. Perrault foi o responsável por compilar em seu país uma série de histórias, publicando-as, posteriormente, em seu livro "Contes de ma mêre l'Oye" (Contos da Mamãe Gansa), de 1697.         

Anotações

Embora existam muitas versões desse conto de fada, escolhi o do Perrault, justamente pelo seu final. A versão mais conhecida, dos Irmãos Grimm, traz um lenhador que abre a barriga do lobo e retira avó e neta de dentro dela, salvando as duas. Como a maioria os contos de Perrault, esse também tem uma espécie de moral no final, que diz:  

Vemos aqui que as meninas,

E sobretudo as mocinhas

Lindas, elegantes e finas,

Não devem a qualquer um escutar.

E se o fazem, não é surpresa

Que do lobo virem o jantar.

Falo “do” lobo, pois nem todos eles

São de fato equiparáveis.

Alguns são até muito amáveis,

Serenos, sem fel nem irritação.

Esses doces lobos, com toda educação,

Acompanham as jovens senhoritas

Pelos becos afora e além do portão.

Mas ai! Esses lobos gentis e prestimosos,

São, entre todos, os mais perigosos. 

Reinvenções 

Aqui você encontra uma lista de filmes, animações e seriados televisivos que reinventam o conto Chapeuzinho Vermelho.  

 

Deu a Louca na Chapeuzinho (Hoodwinked!) - animação - (2005)

Deu a Louca na Chapeuzinho 2 (Hoodwinked Too! Hood vs. Evil) - animação - (2011)

Once Upon a Time - seriado - (2011)

A Garota da Capa Vermelha (Red Riding Hood) - filme - (2011)

Caminhos da Floresta (Into the Woods) - filme - (2014)