Os Seis Cisnes 

 

 

Era uma vez, em uma grande floresta, um rei que caçava um animal selvagem com tanta avidez que ninguém de sua corte conseguia acompanhá-lo. Ao cair da noite, ele parou e, ao olhar à sua volta, percebeu que estava perdido. Mesmo procurando, não encontrou nenhuma trilha.

 

Então, de repente, viu aproximar-se uma velha que acenava a cabeça. Era uma bruxa. – Minha boa mulher – ele disse –, pode me dizer como saio desta floresta?

– Sim, meu grande rei – ela respondeu. – É claro que posso. Mas preciso impor uma condição e, se você não a cumprir, jamais sairá desta floresta e morrerá de fome.

– Qual é a condição? – perguntou o rei.

– Eu tenho uma filha – disse a velha –, tão bonita quanto qualquer outra mulher do mundo. Se você casar com ela e torná-la rainha, eu lhe mostrarei como sair desta floresta.

 

O rei consentiu, por causa da diculdade em que se encontrava. Então a velha o conduziu até seu casebre, onde a filha estava sentada perto da lareira. Esta recebeu o rei como se estivesse à sua espera, e, embora ele tenha notado a beleza da moça, ela não lhe agradava. Não conseguia olhá-la sem estremecer por dentro. Ainda assim, o rei colocou a moça em seu cavalo. A velha lhe mostrou o caminho e ele logo chegou ao castelo real, onde o casamento foi celebrado.

 

O rei já havia sido casado, e sua primeira esposa lhe deixara sete filhos – seis garotos e uma garota –, a quem ele amava mais que qualquer coisa no mundo. Por temer que a madrasta se comportasse mal com os lhos, e talvez até aprontasse algo contra eles, o rei os levou para um castelo abandonado que ficava no meio de uma floresta. E lá eles permaneceram escondidos, uma vez que era muito difícil encontrar a estrada que levava até lá. Nem mesmo o rei conseguiria fazê-lo se não fosse por um novelo com propriedades mágicas que uma feiticeira havia lhe dado. Quando o rei jogava o novelo no chão, este se desenrolava e lhe mostrava o caminho.

 

Como o rei visitava seus queridos filhos com muita frequência, a rainha passou a ficar aborrecida com a sua ausência. Curiosa, ela quis saber por que ele ia sozinho para a floresta tantas vezes. Então, subornou com muito dinheiro os empregados do rei, que revelaram o segredo e lhe contaram sobre o novelo que, sozinho, era capaz de mostrar o caminho. A rainha não descansou até descobrir onde o rei guardava o novelo, então fez blusas de seda e em cada uma costurou um encanto, pois havia aprendido feitiçaria com sua mãe.

 

Assim que o rei saiu para a caçada, ela pegou as blusas e foi para a floresta. O novelo mostrou-lhe o caminho. Avistando alguém a distância, os filhos pensaram tratar-se do seu querido pai e aproximaram-se pulando de alegria. Então a rainha má arremessou cada uma das blusas. Assim que elas tocaram o corpo dos meninos, eles se transformaram em cisnes e saíram voando pela floresta. Então a rainha foi para casa, muito contente de pensar que havia se livrado dos enteados. Mas a garota não havia saído com seus irmãos, então a rainha não sabia nada sobre ela.

 

No dia seguinte, o rei foi visitar a prole, mas encontrou apenas a filha. – Onde estão seus irmãos? – perguntou o rei.

– Oh, querido pai – ela respondeu. – Eles foram embora e me deixaram para trás.

E então ela contou como, de sua janela, havia visto os irmãos transformados em cisnes voar para longe, e mostrou as penas que deixaram cair no pátio e que ela pegara. O rei se entristeceu, mas não imaginava que a rainha fosse a culpada. Temendo que o mesmo acontecesse com a filha, quis levá-la consigo, mas ela tinha medo da madrasta e implorou ao rei que a deixasse ficar mais uma noite no castelo da floresta. Então ela pensou: “Não posso mais ficar aqui; preciso procurar meus irmãos”.

 

Quando a noite caiu, ela foi direto para a floresta. Andou durante aquela noite inteira e o dia seguinte, até não conseguir dar mais um passo de tão cansada que estava. Finalmente, avistou uma cabana bem rústica, onde entrou e encontrou um quarto com seis camas pequenas. Ela não se atreveu a se deitar em nenhuma. Enfiou-se debaixo de uma delas, deitou-se no chão e esperou a noite chegar. Ao raiar o dia, ouviu um farfalhar e viu seis cisnes entrando pela janela. Eles pousaram no chão e assopraram uns aos outros até que todas as penas caíssem; depois tiraram sua pele de cisne como se fosse uma blusa.

 

Reconhecendo neles seus irmãos, a moça ficou muito contente e saiu de seu esconderijo. Ao vê-la, os irmãos ficaram igualmente contentes, mas sua alegria não durou muito tempo. – Você não pode ficar aqui – disseram. – Este é um covil de ladrões, e eles a matariam se a vissem.

– E vocês não podem me defender? – perguntou a irmã menor.

– Não – responderam –, pois só podemos nos livrar da pele de cisne e voltar à forma humana por apenas quinze minutos por noite. Depois viramos cisnes de novo.

A irmã chorou ao ouvir aquilo e disse: – Não se pode fazer nada para libertá-los?

– Não – eles responderam. – Seria uma tarefa muito difícil. Durante seis anos você estaria proibida de falar ou rir. E nesse período teria de fazer seis pequenas blusas com as fibras de uma planta. Se deixasse escapar uma única palavra antes de terminar o trabalho, tudo teria sido inútil.

 

E assim que os irmãos acabaram de falar, os quinze minutos chegaram ao fim e eles se transformaram em cisnes e voaram janela afora. A moça, porém, decidiu libertar os irmãos, mesmo que isso lhe custasse a vida. Ela foi embora do covil e, andando pela floresta, subiu em uma árvore e lá passou a noite. Na manhã seguinte preparou-se para o trabalho, colhendo as plantas e começando a costurá-las. Quanto a falar, não havia ninguém com quem conversar; e quanto a rir, ela não tinha cabeça para isso. Então ela sentou e se concentrou no trabalho.

 

Depois de viver assim por muito tempo, aconteceu de o rei daquelas terras ir caçar na floresta. Alguns dos caçadores do seu séquito foram até a árvore na qual a moça estava sentada. Eles a chamaram, perguntando: – Quem é você? – Ela, porém, nada respondeu. – Desça – eles gritaram. – Não a machucaremos. Ela apenas balançou a cabeça. E quando eles a atormentaram com mais perguntas, ela lhes jogou seu colar de ouro, esperando que ficassem satisfeitos. Contudo eles não foram embora, e ela lhes jogou sua cinta. Quando isso não serviu, jogou-lhes a liga. Uma após a outra, ela atirou todas as peças que vestia e que podia dispensar, até sobrarem apenas suas roupas de baixo. Porém nada foi suciente e os caçadores cansaram de esperar, subiram na árvore, pegaram a moça e a levaram ao rei.

 

O rei perguntou: – Quem é você? O que estava fazendo na árvore? Ela nada respondeu. Ele falou em todas as línguas que conhecia, e a moça permaneceu muda. Mas, como ela era muito bonita, o rei sentiu por ela um grande amor. Após envolver a moça em seu manto, ele a colocou no cavalo e a levou ao seu castelo. Em seguida, fez com que vestisse roupas luxuosas. Sua beleza resplandecia mais que um raio de sol, mas nenhuma palavra saía de sua boca. Ele a sentou a seu lado na mesa, e sua modéstia e gentileza lhe agradaram. O rei disse: – Eu escolho esta moça, e nenhuma outra, para ser minha esposa.

 

Alguns dias depois eles se casaram, mas o rei tinha uma mãe perversa, que ficou descontente com o casamento e difamou a jovem rainha. – Quem sabe de onde essa moça veio? – ela dizia. – E é incapaz de pronunciar uma palavra! Ela não é digna de um rei!

 

Um ano depois a rainha deu à luz um filho, mas a velha o levou para longe e sujou a boca da rainha com sangue enquanto ela dormia. Então foi até o rei e disse que a esposa dele comia carne humana. O rei não acreditou em tal armação e ordenou que ninguém a machucasse. Em silêncio, a rainha continuou a costurar as blusas, sem ligar para mais nada. Na segunda vez que a rainha deu à luz um lindo garoto, a velha perversa usou o mesmo truque, mas o rei não deu crédito às suas palavras, dizendo: – Ela é carinhosa e boa demais para cometer tal ato. Se não fosse muda e pudesse se explicar, sua inocência ficaria clara como o dia. Na terceira vez que a velha roubou o neto recém-nascido e acusou a rainha, que não podia dizer uma palavra sequer em defesa própria, o rei não teve outra escolha que não levá-la à justiça, e a moça foi condenada à fogueira.

 

O dia em que a sentença deveria ser executada era justamente o último dia dos seis anos que ela deveria passar muda e sem rir para libertar do feitiço seus queridos irmãos. As seis blusas estavam prontas, todas exceto uma, na qual faltava costurar a manga esquerda. Quando foi levada para a pilha de lenha e o fogo estava prestes a ser aceso, ela gritou de repente, pois seis cisnes se aproximavam voando. Ela percebeu que sua libertação estava próxima e seu coração bateu mais forte de alegria.

 

Os cisnes se aproximaram da irmã agitando as asas, de modo que ela pudesse jogar as blusas para eles. Isso feito, as peles de cisne caíram e os irmãos se transformaram diante da moça, sãos e salvos. Mas, como faltava a manga esquerda em uma das blusas, o irmão mais novo ficou com uma asa de cisne no lugar do braço. Eles se abraçaram e se beijaram, e a rainha foi até o rei, que observava tudo com grande espanto.

 

– Querido marido, agora posso falar e contar-lhe que sou inocente e fui falsamente acusada. Ela lhe contou as maldades da sogra, que havia levado e escondido as três crianças. E assim os dois se reconciliaram com muita alegria, e a sogra má foi amarrada à estaca sobre a pilha de lenha e queimada até virar cinzas. E o rei e a rainha reencontraram seus filhos e viveram durante muitos anos em paz e alegria com os seis irmãos. 

 

* Esse texto foi retirado do livro Once Upon a Time: Uma Antologia de Contos de Fadas. 

Irmãos Grimm: Jacob e Wilhelm Grimm nasceram, respectivamente, em 04 de janeiro de 1785 e em 24 de fevereiro de 1786 em Hanau, na Alemanha. Eles são responsáveis por reunir, em seu país, uma série de contos populares narrados oralmente, na tentativa de preservá-los. Colhidos em diversas regiões, foram publicados entre 1812 (Tomo 1) e 1815 (Tomo 2), com o nome de "Kinder -und Hausmärchen" (Contos Maravilhosos Infantis e Domésticos). 

Anotações 

A transformação de humanos em cisnes é bastante comum em diversas histórias. As mais famosas são Os Filhos de Lir (uma bela lenda irlandesa que em breve eu irei publicar aqui) e, é claro, o ballet O Lago dos Cisnes.